Pintura Acadêmica e o Modernismo Europeu

O Modernismo europeu surgiu em resposta a arte acadêmica. Começaram a surgir, a partir do século XVI, as academias de arte na Europa. Antes do surgimento dessas escolas dedicadas a ensinar as artes como desenho, pintura, música e história da arte, os artistas aprendiam a pintar em ateliês de outros artistas, era uma arte repassada de artista em artista. Nomes como Leonardo da Vinci, Sandro Botticelli e Rembrandt aprenderam a arte de pintar quadros e murais com outros artistas proeminentes em sua época.

Nas escolas de arte o estilo artístico do neoclassicismo e o romantismo foram considerados os modelos artísticos ideais. . A perfeição buscada pelos artistas dessas correntes artísticas foram consideradas um modelo a ser seguido por todos que desejavam se tornar artistas. Havia teorias sobre a cor ideal, as linhas que deveriam ser utilizadas para se fazer uma pintura mais harmônica, como Leonardo da Vinci supostamente fazia na composição de suas obras.

Os enviados de Agamenon, Jean-Auguste-Dominique Ingres. (wikipedia)

Os temas da pintura acadêmica eram os mitológicos, esse tipo de arte se aproxima do neoclassicismo, por isso temas relacionados a antiguidade greco-romana são considerados os mais sérios para a arte acadêmica. Também houve o desenvolvimento de pinturas históricas e com temas religiosos. A confecção de pinturas que imitam algum estilo artístico histórico como o renascimento, neoclassicismo, barroco etc; é chamado de historicismo.

O sonho do arquiteto, Thomas Cole. (wikipedia)

O estilo artístico chamado de acadêmico teve seu auge no século XIX. Outros temas foram pintados pelos artistas academicistas, como as pinturas de gênero, que retratavam ambientes domésticos e a vida cotidiana, retratos, paisagens e natureza morta. Hans Makart é um dos artistas acadêmicos muito aclamado em sua época.

Retrato de Caroline Gomperz, Hans Makart. (wikipedia)

Hans Makart foi um prolífico pintor austríaco da corrente historicista que retratava temas do passado histórico. Ele gostava tanto desse assunto que organizou um desfile para celebrar o aniversário de casamento do casal real austríaco Franz Joseph I e Elizabeth da Baviera. O desfile contou com grandes carros alegóricos maravilhosos e uma oportunidade das pessoas se vestirem com trajes históricos.

A carta de amor, Hans Makart. (wikipedia)

A arte acadêmica era feita por vários artistas europeus e acaba inundando a Europa com pinturas que utilizam o mesmo estilo e os mesmos temas, sem apresentar nenhuma novidade relevante a arte.

O estilo artístico utilizado pelo renascentista Raffaello Sanzio da Urbino, mais conhecido como Rafael é venerado pelos artistas das escolas acadêmicas, por isso muitas das pinturas feitas pelos academecistas apresentam semelhança com o estilo artístico de Rafael.

Transfiguração, Rafael. (wikipedia)

As pinturas de Rafael apresentam um visual neoplatônico que é muito admirado pelos pintores acadêmicos no século XIX.

O treinamento dos artistas acadêmicos duravam em torno de quatro anos e eles passavam por uma preparação artística rigorosa. Uma das escolas de arte de maior prestígio na Europa era a famosa École des Beaux-Arts (Escola de Belas Artes), que tinha um exame de admissão difícil e só aceitava alunos que tivesse uma indicação de algum professor de arte de renome.

Uma vez admitidos nesta escola eles aprendiam fazendo cópias de obras de arte consideradas referência. Essa técnica de aprendizagem copiando obras de arte não era algo novo, diversos artistas que possuíam um atelier cheio de alunos ensinavam eles fazendo cópias artísticas de alguma obra do artista professor que era responsável pelo ateliê. Leonardo da Vinci tinha vários alunos e aprendizes, por isso existem muitas cópias de obras de arte feitas por ele, como a Monalisa e a Última Ceia.

Além desta forma de aprendizagem por cópias artísticas outra coisa que eles aprendiam eram os desenhos e pinturas de nus artísticos. Gustave Courbet foi um artista que fez diversas pinturas de nus artísticos, muitas das obras com aparência neoclássica de nus na verdade foram feitas no século XIX pelos artistas acadêmicos e não na época do neoclassicismo.

A fonte, Gustave Coubert.

Gustave Coubert se envolveu em uma confusão de cunho político com a Comuna de Paris, tendo até mesmo caricaturas sendo feitas sobre ele. Houve outros artistas que fizeram pinturas de nu artístico que se parece com pinturas do neoclassicismo.

O banho, Bouguereau.

Apesar da preferência da arte academicista por figuras femininas o surgimento dessas escolas de arte tornou o acesso a arte por mulheres muito mais difícil do que antes. Nessas ditas academias de arte só eram admitidos homens jovens com menos de trinta anos, as mulheres não podiam aprender arte nestes lugares.

Foi a escola de Belas Artes de Paris que era a responsável pelo Prix de Rome, um prêmio para artistas que conseguiam passar pelo longo processo envolvido neste concurso. O prêmio oferecido no Prix de Rome era a oportunidade de estudar na Academia Francesa na Villa Medici. E também tinham a oportunidade de expor suas obras de arte no Salão de Paris. Jacques-Louis David participou do Prix de Rome tendo ganhado uma vez. David é o responsável pela obra “A liberdade guiando o povo”.

Liberty Leading the People. 1830. Oil on canvas, 260 x 325 cm.

Com um mercado saturado de obras acadêmicas e a maioria dos artistas se inspirando num ideal greco-romano do passado, artistas rebeldes que não queriam fazer parte desta arte rigorosa e pouco original deram início ao chamado de Modernismo.

Esta nova corrente artística modernismo se opõe ao realismo e ao ideal greco-romano estético, os artistas deste movimento rejeitavam modelos perfeitos, harmônicos e neoplatônicos. Henri Matisse pintor do estilo artístico conhecido como fauvismo também pintou o tema banho que era retratado pelos pintores acadêmicos mas com uma estética completamente nova.

Banho, Henri Matisse.

Trazendo uma nova estética e finalmente uma novidade após o período de pintura acadêmica, as correntes artísticas que surgem no final do século XIX e início do XX levam a arte para uma direção completamente nova, os artistas experimentam novas cores, rompem com a harmonia greco-romana imposta pelos pintores acadêmicos. Olhando uma pintura do artista Paul Cézanne que transita entre o impressionismo e cubismo, Os Banhistas, podemos perceber a diferença entre os banhistas pintados pelos acadêmicos e a obra de Cézanne.

Os Banhistas, Paul Cezanne.

As vanguardas artísticas europeias terá artistas brilhantes como Claude Monet, Vincent Van Gogh, Pablo Picasso, Henri Matisse etc.

7 comentários em “Pintura Acadêmica e o Modernismo Europeu

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.