O que é Justiça de acordo com Sócrates?

O livro A República, de Platão, contém um diálogo que pode ser atribuído a Sócrates, o primeiro. E o tema desse diálogo é Justiça. O que Sócrates dizia sobre isso?

Em resumo, no diálogo, alguém fala pra Sócrates que o conceito da Justiça era somente ser honesto e não dever nada a ninguém. Porém  ele discorda e cita uma situação hipotética, em que um amigo pede pra que outro guarde suas armas, e depois de um tempo esse amigo enlouquece e pede as armas de volta, e pergunta se devolver pra esse amigo seria algo justo(certo)? Da mesma forma, dizer toda a verdade pra alguém que está enlouquecido, se isso seria justo(certo)?

A lógica do filósofo é que ao dizer que a Justiça se resume a um conceito curto e simplista, em certas situações você acaba praticando uma injustiça. Porque uma pessoa que está louca vai prejudicar a si mesma e a outros, então como “devolver” armas que podem ferir inocentes é algo correto?

Porém seu interlocutor afirma que se for seu amigo, ele não faria isso, para não prejudicar seu amigo, mas ao inimigo daria o que lhe é devido: o mal. Daria devolveria as “armas” e deixaria alguém fora de si ferir quem quisesse para que esse inimigo sofresse um mal.

Como o interlocutor de Sócrates não percebe essa parte de que fazer mal ao inimigo pode criar uma situação que resulta numa injustiça, ou seja, inocentes seriam colocados em uma situação de perigo e poderiam ser mortos ou feridos. O filósofo tenta outra abordagem para mostrar a falha que existe no conceito de Justiça de seu interlocutor.

Então ele pergunta se ser justo significa ajudar seus amigos e prejudicar seus inimigos, e o interlocutor diz sim, e o filósofo questiona quem são os seus amigos e quem são os inimigos, e recebe a resposta de que os bons são os amigos e os maus são os inimigos.

Sócrates chega na questão, Justiça é fazer o bem aos bons e mal aos maus. Devolver na mesma moeda o ato recebido, fazer justiça com as próprias mãos, devolver o mal com o mal, não é algo correto, de acordo com Sócrates.

O filósofo argumenta que o homem é capaz de errar ao fazer um julgamento sobre uma pessoa. Achar que um amigo é honesto e bom e depois descobrir que na verdade ele é desonesto e mal. E também pode incorrer no mesmo erro ao julgar um inimigo como alguém malvado.

Fazer justiça com base num de julgamento de caráter sobre alguém que você considera amigo seria errado, porque existe um risco muito grande de estar errado, e a chance de fazer mal a alguém inocente ou liberar uma pessoa má das consequências que ela merece é uma injustiça muito grande, que ninguém quer praticar.

Então o conceito de Justiça não é esse, ser juiz da própria causa e não pensar nas consequências de fazer um julgamento errado.

Para o filósofo a Justiça é uma virtude que se praticada de verdade, torna os homens melhores.

O nome do que o interlocutor de Sócrates chama de Justiça na verdade é Vingança e Nepotismo, dois desvios de caráter.

A intenção do filósofo nesse diálogo é fazer o interlocutor parar “posar” de velho sábio. Antes do diálogo, Platão descreve o interlocutor como um homem idoso muito rico, com boa reputação, e vive em paz com a vida que leva.

Derrubar alguém do pedestal era algo que Sócrates fazia muito em sua época, e ele não fazia por esporte. Ele queria mostrar que não existe isso de sabedoria plena e vida feliz com base em reputação de honestidade e riquezas.

E sim, Sócrates é a favor punir quem comete um ato injusto, ele defende isso em outro diálogo. Mas a punição não deve ser dada pela vítima, que pode errar e se exceder. E sim por um juiz na intenção de fazer o injusto aprender com os erros.

justiça211

A justiça é uma deusa que está vendada e carrega a espada e a balança pra poder medir o ato e dar a punição de acordo a injustiça. A venda serve pra mostrar que ela não olha para quem está julgando, ou seja, ela é imparcial, não vê quem julga, só os atos de injustiça praticados.

Anúncios

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.