O teatro francês na época do Iluminismo

Durante o século XVII o teatro era um entretenimento da aristocracia e nobreza. As peças teatrais faziam sucesso no interior e depois seguiam para serem apresentadas em Paris. Como montar uma peça teatral era um investimento excessivamente caro, o patrocínio o Rei se tornava imprescindível.

Na época do reinado de Luís XIV, devido as guerras caras, o investimento na construção do palácio de Versailles, e posteriormente a radicalização religiosa do rei fez com que algumas companhias de teatro caíssem em desgraça. Apesar desses problemas enfrentados pelo teatro na França em geral, foi nessa época que viveu o famoso dramaturgo Jean-Baptiste Poquelin, mais conhecido como Molière.

Molière e a crítica da sociedade

Jean-Baptiste Poquelin, Molière, veio de uma família de mercadores e no início de sua carreira fundou a companhia de teatro Illustre Théâtre, que acabou não tendo sucesso. Entre 1653-1655 Molière criou a sua primeira grande comédia L’Étourdi ou les Contretemps em Lyon na França.

Nicolas Mignard (1606-1668). Molière (1622-1673) dans le rôle de César de la “Mort de Pompée”, tragédie de Corneille. Paris, musée Carnavalet.

No ano de 1658 ele foi aprovado por Philippe d’Orléans, o Monsieur, o único irmão de Luís XIV, e se tornou a Trupe do Monsieur começou a fazer suas apresentações no teatro Petit-Bourbon.

Em 1659, o dramaturgo estreia a peça Les Précieuses ridicules, interpretando o criado Mascarille. Essa peça em um ato fazia uma grande sátira ao esnobismo e aos costumes dos nobres nos salões de Paris. O sucesso foi tanto que na época diziam que as pessoas vinham a vinte léguas de Paris somente pra se divertir.

Moliére ganhou uma sala pra se apresentar na residência de Felipe de Orleans em Palais-Royal e depois passou a fazer apresentações em château de Vaux-le-Vicomte e inaugurou o teatro-balé para agradar Luís XIV.

Sua quarta grande comédia foi a L’École des femmes na qual ele desafia as ideias de casamento e status das mulheres. Sua quinta comédia foi uma das mais polêmicas de sua carreira, intitulada Le Tartuffe ou l’Imposteur, que coloca a religião sob uma luz cômica e coloca a questão da separação da Igreja e do Estado, por causa disso Luís XIV proibiu essa peça de ser encenada.

Em sua defesa, Moliére escreveu num panfleto:

“Sendo o dever da comédia corrigir os homens enquanto os entretém, acreditava que, no trabalho em que me encontro, nada melhor do que atacar com pinturas ridículas os vícios de meu século; e como a hipocrisia é sem dúvida uma das mais usadas, a mais inconveniente e a mais perigosa, tive, senhor, o pensamento de que não prestaria um pouco de serviço a todas as pessoas honestas de seu reino, se Eu estava fazendo uma comédia que denunciava os hipócritas e colocava devidamente em vista todas as caretas estudadas dessa gente excessivamente boa, toda a malandragem encoberta por esses devotos falsificadores, que querem pegar homens com zelo falso e instituição de caridade sofisticada.”

Autores do Iluminismo

François-Marie Arouet, mais conhecido como Voltaire, foi um dos maiores dramaturgos da França no século XVIII, além deter sido um filósofo iluminista e adepto do despotismo esclarecido.

Durante sua vida Voltaire foi exilado de Paris e passou um tempo na Inglaterra, onde teve contato com as obras de Shakespeare. Ele escreveu cerca de cinquenta obras de dramaturgia e se apresentou nos palcos da Comédie-Française ou Théâtre-Français.

Denis Diderot, outro iluminista, defendia que o teatro deveria apresentar um espelho realista das práticas cotidianas. Para Diderot o teatro poderia ser usado como uma forma de ensinar o povo.

Outro destaque no teatro foi Pierre-Augustin Caron de Beaumarchais, editor de Voltaire, fundador da Société des auteurs et compositeurs dramatiques (sociedade dos autores) e a favor dos direitos autorais com a inclusão disso na Loi Le Chapelier.

Beaumarchais era a favor da liberdade de opinião e sua peça mais famosa foi La Folle Journée, ou le Mariage de Figaro.

Jean-Marc Nattier, Portrait de Pierre-Augustin Caron de Beaumarchais (1755)

A partir da Revolução Francesa o teatro deixa de ser exclusividade da nobreza para se tornar burguês.

Referências:

https://fr.wikipedia.org/ (Wikipedia francesa)

Um comentário em “O teatro francês na época do Iluminismo

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.