Henri-Edmond Cross, um artista neo-impressionista

Henri Edmond Joseph Delacroix nasceu no ano de 1856 em Douai uma região da França próxima da fronteira da Bélgica. O artista fez parte da corrente artística do fauvismo e do neo-impressionismo, sendo um dos mais importantes desse movimento. O neo-impressionismo recebeu esse nome graças a Félix Fénéon, um grande crítico de arte francês. Cross foi uma grande influência para o fauvista Henri Matisse.

O artista veio de uma família que possuía uma loja de ferragens, enquanto ainda era criança, a família de Henri-Edmond Cross se mudou para a cidade de Lille onde o artista teve seu talento notado e começou a aprender técnicas artísticas com Carolus-Duran um grande artista francês. Cross se mudou para Paris e se matriculou na École des Beaux-Arts de Paris, um lugar onde estudou arte com o pintor realista François Bonvin.

Com o aprendizado de Bonvin, Henri-Edmond Cross começou a pintar paisagens realistas com tons escuros, como eram as pinturas de François Bonvin. Podemos ver o estilo artístico do professor de Cross na pintura chamada de Charity:

Charity, François Bonvin.

Bonvin pinta um realismo extremamente dramático. Cross queria se afastar dessa estética e procurou pintar num estilo próprio. Esse interesse e busca por uma estética artística nova levou Henri-Edmond Cross a conhecer os artistas das vanguardas europeias.

O artista também pintou paisagens ao ar livre junto com Claude Monet e Camille Pissaro. Porém Cross ainda não havia encontrado um estilo único que o agradasse. O pintor se tornou amigo de Paul Signac, e foi convidado para as reuniões promovidas por Signac em Saint-Tropez. Com Signac, Henri-Edmond Cross finalmente encontrou uma estética para chamar de sua, a estética Neo-Impressionista.

Cross começou a pintar no estilo neo-impressionista, usando as técnicas desse movimento conhecidas pelo nome de divisionismo e pontilhismo. Uma das obras de Henri-Edmond Cross com essas características neo-impressionistas se chama A fazenda, à noite.

A fazenda, à noite, Henri-Edmond Cross.

Em A fazenda, à noite, Cross utiliza as técnicas divisionistas e pontilhistas, é possível ver que o artista compôs esse quadro fazendo pequenos pontos para criar uma transição de cores típicas do divisionismo. Essa pintura foi confeccionada em 1893, o artista ainda apresenta um divisionismo tímido.

No ano de 1896, já com um maior domínio sobre a estética neo-impressionista, Henri-Edmond Cross pinta o quadro chamado de La Plage de Saint-Clair:

La Plage de Saint-Clair, Henri-Edmond Cross.

La Plage de Saint-Clair é uma pintura com um visual neo-impressionista mais amadurecido, podemos perceber que o artista domina as técnicas divisionistas e pontilhistas. A paleta de cores escolhida por Cross e o uso dela na pintura torna essa obra uma boa representante do movimento neo-impressionista. O artista se aproxima muito da estética de Paul Signac.

Essa combinação de cores feita por Henri-Edmond Cross causou uma grande impressão em Henri Matisse, por isso Cross acabou se tornando uma das grandes influências no movimento artístico do Fauvismo.

Podemos ver como Henri-Edmond Cross influenciou outros artistas em sua pintura feita no ano de 1906 chamada de La fuite des nymphes:

La fuite des nymphes, Henri-Edmond Cross.

La fuite des nymphes pode ser considerada uma grande obra de arte do neo-impressionismo. A composição da pintura feita por Cross se tornou uma referência para o movimento, o artista influenciou outros neo-impressionistas como Jean Metzinger. Na paleta de cores escolhida por Cross a imagem se mostra bem colorida e harmoniosa, esses pontos feitos pelo artista e junção das cores é uma característica do divisionismo, vemos que Henri-Edmond Cross captou bem a teoria de cores criada por Georges Seurat e Paul Signac.

Por volta do ano de 1906, Henri-Edmond Cross ganhou uma exposição própria na Galeria Druet que ficava em Paris. O artista apresentou mais de trinta quadros nesse evento.

Uma outra pintura do artista feita em 1906 se chama Une clairière en Provence:

Une clairière en Provence, Henri-Edmond Cross. 

Une clairière en Provence também é uma pintura neo-impressionista em que o artista mostra uma grande habilidade com as técnicas artísticas criadas por Paul Signac e Georges Seurat. Cross compõe uma pintura com cores vivas, sua paleta de cores cria esse efeito harmonioso que deixa essa obra com uma grande qualidade visual. O artista domina diversos tipos de paisagens, ele consegue transformar uma visão de uma floresta em algo divino.

No ano de 1908, Henri-Edmond Cross confecciona a obra Les cyprès à Cagnes:

Les cyprès à Cagnes, Henri-Edmond Cross.

Les cyprès à Cagnes é uma obra prima de Cross. O artista aplica as teorias de cores de Paul Signac e Georges Seurat numa paisagem que aparenta ser no fim da tarde, por causa de alguns tons amarelo avermelhados que Cross imprime na iluminação do sol nessa pintura. Suas pinturas sempre conseguem ser originais, mesmo o artista utilizando a mesma técnica na maioria de suas obras.

Henri-Edmond Crosso morre vítima de um câncer na cidade de Saint Clair.

Compre meu e-Book na Amazon:

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.