Édouard Vuillard, outro artista do Les Nabis

Jean-Édouard Vuillard nasceu no ano de 1868 em Cuiseaux na França. O artista era um dos membros do grupo pós-impressionista chamado de Les Nabis. Vuillard se destacou na pintura de vários temas, desde natureza morta, retratos, cenas de gênero, entre outros. O artista também é considerado um grande gravurista além de sua arte decorativa.

Sua família se mudou para Paris enquanto Édouard Vuillard ainda era jovem, na capital da França, o artista conseguiu uma bolsa de estudos numa das escolas mais antigas e tradicionais de Paris a Lycée Condorcet, foi nesse local que Vuillard conheceu alguns dos artistas que se tornariam membros do Les Nabis, como Maurice Denis. Após seus estudos no Lycée Condorcet, Vuillard aprendeu técnicas artísticas no estúdio de Diógenes Maillart, o primeiro ganhador do Prix de Rome. Uma das pinturas de Maillart se chama O Jovem Neófito Cristão:

O Jovem Neófito Cristão, Édouard Vuillard.

Na pintura acima podemos ver como Maillart confeccionava suas obras e também seu domínio de cores, algo que ele ensinou à seu aluno, Édouard Villard.

Édouard Vuillard entrou para a Académie Julian e um ano depois foi admitido na École des Beaux-Arts de Paris onde teve a oportunidade de estudar artes com o renomado Jean-Léon Gérôme. Vuillard também frequentava o ateliê de William-Adolphe Bouguereau. O artista foi convencido por Maurice Denis a participar de um pequeno grupo chamado de Les Nabis que foi inspirado numa pintura de Paul Sérusier.

O artista começou a pintar usando a nova estética pós-impressionista que estava surgindo na época sob a direção de Paul Gauguin. Uma pintura de Vuillard que segue essa estética se chama The Seamstresses:

The Seamstresses, Édouard Vuillard.

Em The Seamstresses, Édouard Vuillard, utiliza a técnica pós-impressionista cloisonnista além do sintetismo, o artista pinta blocos da imagem plana usando somente uma cor. O sintetismo pregava o uso extremo das formas e a pintura como resultado dos sentidos do artista. Podemos ver o mesmo pós-impressionismo no seu autorretrato:

Autorretrato, Édouard Vuillard.

Na pintura acima vemos as características do sintetismo na escolha de cores primárias para fazer essa obra, além do uso de imagens planas, e as formas puras das figuras retratadas.

Assim como aconteceu com todos os artistas do grupo Les Nabis, Édouard Vuillard também sofreu as influências do chamado japonismo. Uma das obras feitas com uma temática influenciada pela arte do Japão se chama O Vestido Florido:

O Vestido Florido, Édouard Vuillard.

Em O Vestido Florido está retratado uma mulher de aparência oriental usando um quimono florido. O tema de mulheres sendo retratadas no interior das casas vem da xilogravura japonesa, o Ukyio-e, que também mostra esse mesmo tema.

O artista retratava mulheres no interior das casas, ou nos jardins, ou seja em ambientes domésticos, mas o foco não era a mulher e sim os vestidos, o cenário e a decoração do ambiente. Podemos ver isso na pintura Le corsage rayé.

Le corsage rayé, Édouard Vuillard. 

Na pintura acima vemos que o artista retrata dias mulheres lidando com as flores, Vuillard usa as técnicas de pintura pós-impressionista como o sintetismo e o cloisonnismo. O artista usa formas planas, dividas em blocos de cores primárias, sem se importar muito com o realismo das formas e figuras representadas. Outra obra do artista que retrata cenas domésticas se chama Interior amplo com seis figuras Kunsthaus:

Interior amplo com seis figuras Kunsthaus, Édouard Vuillard.

Em Interior amplo com seis figuras Kunsthaus vemos uma cena doméstica em que existe homem e mulher no mesmo ambiente decorado, como toda as casas de burgueses ricos. Nesse cenário vemos tapetes com estampas, cortinas, papel de parede, e os móveis vitorianos.

O artista rompeu com o grupo Les Nabis após o Caso Dreyfus, em que um judeu foi acusado injustamente de cometer traição. Vuillard, então, evolui sua estética e deixa de pintar os ambientes domésticos, passando a pintar paisagens ao ar livre. Uma das pinturas de jardim que Vuillard pintou se chama Jardim de Vaucresson:

Jardim de Vaucresson, Édouard Vuillard.

Jardim de Vaucresson mostra um lento abandono da estética pós-impressionista. As imagens retratadas começam a ter contrastes, o uso de mais cores e tons; o artista pinta cenários mais realistas e detalhados. Essa pintura foi concluída no ano de 1920.

Além dessas pinturas externas de paisagens, Édouard Vuillard começou a pintar retratos, para fazer essas obras o artista utilizou um novo material chamado de Distemper, que era cal misturada com com um aglutinante. Isso permitiu que o artista pudesse pintar mais detalhes e usar mais cores, antes, Vuilllard usava têmpera para confeccionar suas pinturas. O resultado dessa nova técnica pode ser vista na pintura chamada de Retrato de Lucy Hessel.

Retrato de Lucy Hessel, Édouard Vuillard.

Édouard Vuillard morreu no ano de 1940.

Compre meu livro na Amazon:

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.