Categoria: Emoções

O amor brilha mais no escuro

Essa frase é lida pela personagem Katara no desenho “Avatar: a lenda de Aang”, num episódio que passa a mensagem de que somente quem acredita no amor é capaz de atravessar um labirinto de escuridão, e encontrar a saída. Mas essa frase tem um significado além da mensagem do desenho.

Quando estamos num momento ruim em nossas vidas, num labirinto de escuridão, quem fica ao nosso lado e nos ajudam, são as pessoas que nos amam, e conseguimos perceber onde está o amor, e saímos dessa situação ruim, através do amor de quem está conosco.

O episódio que conta essa história é “A caverna dos dois amantes”, capítulo 2  da segunda temporada (livro Terra), assista, vale a pena.

caverna1
Aang e Katara, nesse episódio

Veja mais textos de reflexão clicando aqui.

Anúncios

Como choramos e rimos da mesma coisa?

Uma breve introdução…

Michel de Montaigne, nasceu em 1533, foi um humanista , escritor, filósofo e cético.

Sua grande obra foram os Ensaios, que são livros com textos curtos sobre diversos assuntos. Tipo um blog de 1500?

O que mais me interessou foi as ideias dele sobre a educação das crianças. Segundo ele, a educação rígida, com livros enormes, consumiria muito tempo e seria pouco eficiente.

A educação deveria formar indivíduos honestos, aptos ao julgamento, tornando-os um adulto mais sábio e melhor.  E o ensino deveria ser mais voltado a experiência, além de respeitar a individualidade da criança. É uma ideia muito futurística, pra alguém de 1500 e bolinha.

Um dos livros dele que eu to lendo, “Ensaios da amizade e outros textos”, contém o famoso texto em que ele faz em homenagem a um amigo dele que morreu, é muito comovente e maduro.

choromeme1

O autor não dá muitas respostas, mas lança muitas perguntas e fala de situações que a gente passa. Por exemplo, ontem alguém me falou que quando a gente rompe um relacionamento tóxico, nós devemos nos sentir feliz e não tristes e feliz ao mesmo tempo.

Mas todo ser humano, que tem sua humanidade intacta, tem isso, de ter sentimentos conflitantes.

Então, vamos responder a pergunta do título do post:

Como choramos e rimos da mesma coisa, segundo Montaigne?

Tem um capítulo do livro que se chama: “Como choramos e rimos da mesma coisa” e ele conta relatos históricos de líderes que quando matavam seus inimigos ficavam tristes pela morte deles, embora quisessem o inimigo morto, choravam/lamentavam quando este morria.

Montaigne diz que o ser humano é cheio de emoções opostas, pois cada coisa/pessoa/relacionamentos tem diversos aspectos, bons e ruins, e ainda temos aquilo…

Aquilo que se chama esperança. Enfim….

humanosme

Justiça X Vingança e o Gumball

Eu poderia falar sobre como Justiça e vingança são diferentes, usando os argumentos de Thomas Hobbes e John Locke. Mas vou falar sobre isso usando o desenho “Gumball”.

Gumball ou “O Incrível mundo de Gumball”, é uma série de desenho animado exibido pelo Cartoon Network. Fala sobre a história da família Watterson, e o universo de Gumball é todo estilizado, o personagem gumball é um gato azul de 12 anos,  ele tem um irmão adotivo que é peixe e o nome dele é Darwin, uma irmã mais nova que é uma coelha super dotada, além de sua mãe, pai, professores, colegas de aula.

Enfim, Gumball a primeira vista poderia ser visto como um desenho puramente infantil, mas ele não é, ele aborda várias questões da vida, e dá lições filosóficas, tudo isso acontece em torno da teimosia do personagem Gumball e da ajuda e conselhos do Darwin.

gumbal

Por que estou falando de Gumball pra falar sobre a diferença de justiça e vingança?

Porque [só vou falar spoiler a partir de agora, se continuar é por sua conta] existe um episódio que o Darwin empresta uma caneta a um colega de classe, e ele acaba devolvendo a caneta com a tampa mastigada.

Aí o Gumball já diz que isso que aconteceu foi uma injustiça, e o Darwin pergunta se ele não poderia deixar pra lá ou resolver tudo na paz, mas o Gumball logo descarta a ideia dizendo que ele poderia faz isso, mas que não seria “justiça”.

Esse colega volta a classe e os dois, Darwin e Gumball estão querendo justiça, enquanto o colega não percebe nada.

No meio dessa história, em busca de justiça (que na verdade fica claro que é vingança) eles pedem uma cola emprestada desse colega (Joe Banana) e devolvem ela cheia de furos. E isso faz com que o Joe Banana use essa cola cheia de furos, e fique colado e ele acaba escorregando e vai parar na enfermaria.

O Joe banana conta a quem emprestou a cola cheia de furos, e os dois, Darwin e Gumball são levados ao conselheiro da escola (se não to misturando os episódios, ou a ordem). Mesmo depois do Joe ter ido pra enfermaria, e eles levado bronca, eles não desistem de buscar a justiça pela caneta mascada.

Daí eles decidem invadir o armário do Joe Banana,  encontram uma caneta e resolvem morder ela. Um pouco depois o Joe Banana aparece pra eles, e dá uma caneta nova, porque a antiga que eles emprestaram estava mascada, e que ele esperava que isso resolvesse o problema.

Mas os dois já tinham feito besteira mascando uma caneta do Joe Banana que acharam no armário que eles invadiram. E caem na real: “A gente exagerou, tomara que ele não descubra a história do armário”, um diz pro outro.

Nesse meio tempo o Joe Banana fala que ele possui guardada no armário uma caneta que foi herdade pela família, e que ele sabia como o Darwin se sentia pela caneta estragada, já que ele ficaria irado se estragassem a caneta dele. Ou seja… F%$#@…. rola a maior confusão, e no final da história o Gumball tira do bolso uma caneta mascada, e aí diz pro Darwin “Foi mal, acho que fui eu que masquei sua caneta”.

A moral desse episódio: é muito fácil exagerar na busca por “Justiça”, que pode virar vingança (que é uma reação exagerada e muito mais violenta que o ato que pede “justiça” ou reparação). E como não existe juiz imparcial, e o Gumball é movido por emoções e preconceitos. A coisa degringola…. e ao tentar fazer justiça com as próprias mãos eles acabam exagerando e cometendo uma injustiça.

Afinal, mascar a caneta hereditária do Joe Banana, invadindo o armário dele, é muito pior do que supostamente entregar uma caneta que foi emprestada só que entregue mascada.

E é mais ou menos isso que os filósofos argumentam, que a justiça com as próprias mãos pode levar a um exagero e a mais violência.

*Os direitos de imagem e reprodução dos episódios de Gumball são da Cartoon Network. Além da publicidade involuntária desse desenho, eu recomendo que assistam os outros episódios, porque eles passam as coisas de forma leve, divertida e ao mesmo tempo promovem reflexão.