Abraham Bloemaert, um maneirista holandês

Abraham Bloemaert nasceu no ano de 1566 em Utrecht na Holanda. O artista foi um dos grandes representantes do chamado Maneirismo do Norte da Holanda. Bloemaert se tornou um grande professor da obra de Caravaggio em Utrecht, ensinando um grupo cuja representação artística ficou conhecida pelo nome de Caravaggismo de Utrecht. Abraham Bloemaert foi um artista em constante evolução estética tendo pintado em seus últimos anos obras que beiravam ao classicismo.

O artista era filho de um arquiteto por isso aprendeu a desenhar desde muito cedo, Abraham Bloemaert foi aprendiz de Joos de Beer. O pintor maneirista passou um tempo em Paris e foi estudar na Escola de Fontainebleau que ensinava a arte maneirista, infelizmente o palácio que abrigava a escola acabou sendo destruído nas guerras religiosas que aconteceram no século XVI e XVII. Uma das obras maneirista com características italianas se chama Moisés batendo na rocha.

Moisés batendo na rocha, Abraham Bloemaert (imagem tratada digitalmente por mim).

Moisés batendo na rocha foi tratada digitalmente por mim, pois é uma pintura de 1596, provavelmente com uma cobertura de verniz que deixa a pintura escurecida com o tempo. Essa obra faz parte do maneirismo, Bloemaert pintou as figuras humanas contorcidas, existe um fundo escuro, muitas pessoas estão presentes nessa pintura, além da escolha de uma paleta de cores vibrante, o maneirismo é uma transição para a arte barroca e podemos perceber que o renascimento está sendo deixado para trás nessa tela confeccionada por Abraham Bloemaert.

A região da Holanda passou um tempo sofrendo com as guerras religiosas, então a pintura de temas religiosos era algo delicado, então muitos artistas pararam de pintar sobre esse assunto, mas ainda em 1615, Abraham Bloemart fez uma pintura religiosa chamada de Quatro Evangelistas.

Quatro Evangelistas, Abraham Bloemaert.

Quatro Evangelistas é uma pintura com características maneiristas, temos os quatro apóstolos de Jesus Cristo representados junto com a imagem de um anjo do lado direito da tela. Bloemaert escolheu as cores típicas do movimento artístico do maneirismo como o azul, vermelho, verde e amarelo. Temos a presença de um fundo escuro quase preto, os quatro discípulos aparecem em poses quase se contorcendo, embaixo da mesa temos a figura de um leão, no canto esquerdo aparece um touro, e ao fundo temos uma águia, esses animais eram associados aos apóstolos nas iluminuras medievais.

Bloemaert deixou o Fontainebleau antes deste ser destruído nas guerras religiosas e retornou Utrecht, nessa região ele se tornou um dos fundadores da Guilda de São Lucas de Utrecht, uma espécie de coletivo de artistas. Em Utrecht Abraham Bloemaert abriu um estúdio onde recebia diversas encomendas de pintura, um desses trabalhos foi a obra A festa dos deuses no casamento de Peleu e Thetis.

A festa dos deuses no casamento de Peleu e Thetis, Abraham Bloemaert.

A festa dos deuses no casamento de Peleu e Thetis é uma pintura com tema mitológico, com as guerras religiosas a representação de temas relacionados a religião era algo difícil de fazer, então os artistas passaram a pintar naturezas mortas, festas e bebedeiras e a mitologia grega, a corrente artística do maneirismo antecedia o barroco, que aos poucos estava chegando aos pintores holandeses. Abraham Bloemaert não escapou dessa tendência, pois o artista havia treinado esse tipo de estética em Fontainebleau e A festa dos deuses no casamento de Peleu e Thetis tem características maneiristas como o uso da cor preta, as figuras humanas que aparece flutuando, o contraste forte entre luz e sombra, Thetis aparece como uma mulher bem iluminada.

É interessante notar que em 1620 o artista num estilo que lembra mais o rococó com a obra chamada de A pregação de João Batista.

A pregação de João Batista., Abraham Bloemaert.

A pregação de João Batista apresenta elementos do rococó como traços mais leves e elegantes, não existe figuras muito alongadas e estilizadas, o céu é azul, não temos aquele contraste do preto ao fundo. Porém, a escuridão no meio da pintura destoa um pouco do resto do quadro por causa da estética que Bloemaert escolheu.

Como todo artista holandês do século XVI e XVII, Abraham Bloemaert também pintou uma obra mais festiva, um retrato de um flautista que está na imagem abaixo:

Flautista, Abraham Bloemaert.

Flautista é uma pintura que mostra a figura de um homem com uma flauta num ambiente interno, com uma jarra de bebida no lado esquerdo da pintura, bem ao estilo Alegre Companhia, essa estética e temática era a que seus alunos mais pintavam. Um de seus alunos mais famosos foi Gerrit van Honthorst.

Abraham Bloemaert morreu no ano de 1651.

Referências e Imagens:

https://en.wikipedia.org/wiki/Abraham_Bloemaert

https://fr.wikipedia.org/wiki/Abraham_Bloemaert

Compre meu e-Book na Amazon:

Um comentário em “Abraham Bloemaert, um maneirista holandês

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.