Paul Klee, teoria de cores e uma arte antifascista

Paul Klee nasceu no ano de 1879 em Münchenbuchsee na Suiça. O artista foi parte de diversos movimentos artísticos como surrealismo e cubismo mas se destacou na corrente artística do movimento expressionista alemão. Klee foi um dos artistas que se aventurou na teoria de cores, assim como Georges Seurat e Paul Signan na França e tinha as mesmas ambições desses dois artistas franceses que era revolucionar o estudo das cores e apresentar uma inovação melhor do que a feita pelos artistas renascentistas, como o experimentador de materiais Leonardo da Vinci (clique aqui para entender porque eu chamo ele assim).

Klee teve seu primeiro contato com o mundo artístico através da música, pois seu pai era professor de música e sua mãe era cantora. Sua nacionalidade alemã vem de seu pai, por isso o artista é considerado um pintor expressionista alemão. Paul Klee consegue aprender a tocar diversos instrumentos musicais mas logo começa a desenhar caricaturas, então o artista tenta entrar para a Academia de Belas Artes de Munique mas é recusado na primeira vez, porém é aprovado em sua segunda tentativa.

Desde o início Paul Klee começa a se interessar por cor e o estudo da cor. no ano de 1911 o artista se juntou ao Der Blaue Reiter mas não participou da primeira exposição que foi adiada um ano e aconteceu em 1912. Nesse mesmo ano, Paul Klee viajou para Paris onde conhece o cubismo de Paul Delaunay, o cubismo órfico que são fragmentações coloridas sinestésicas de figuras abstratas. No ano de 1914 ele cria algumas pinturas de aquarelas, uma delas é a obra chamada de Vista de Saint Germain.

Vista de Saint Germain, Paul Klee.

Vista de Saint Germain é uma pintura em aquarela que não pertence a nenhuma corrente artística, podemos classificar como uma pintura de experimentação, quase sem técnica nenhuma, mas na verdade o artista demonstra conhecer muito bem Leonardo da Vinci como podemos ver na pintura abaixo chamada de Fenster.

Fenster, Paul Klee.

Fenster (Janela) é pura experimentação de cor e material. Klee deve conhecer porque Leonardo da Vinci fez isso, de misturar cor, material, e por causa disso muitas obras do renascentista foram perdidas no tempo. Jan Van Eyck, um artista holandês que reintroduziu o uso da pintura a óleo, fez seus retábulos pequenos e já tinha um certo domínio sobre esse material. Mas Paul Klee quis seguir o mesmo caminho de fazer experimentos até conseguir algum resultado melhor do que aqueles alcançados pelos renascentistas.

O período do artista que ele pintou a obra acima é conhecido como Místico-abstrato, uma outra obra dessa época se chama Föhn im Marc’schen Garten.

Föhn im Marc’schen Garten, Paul Klee.

Além dessas pinturas desse período serem resultado de uma experimentação de cores, o artista também utilizou como inspiração o mundo oriental e suas cores. Na pintura acima vemos além do uso de diversas cores também temos a abstração das figuras na obra de Paul Klee.

Podemos ver o orientalismo unido a sua teoria de cores numa pintura chamada de Orientalischer Lustgarten.

Orientalischer Lustgarten, Paul Klee.

Orientalischer Lustgarten é uma pintura que Paul Klee utiliza o pontilhismo dos artistas Georges Seurat e Paul Signac, talvez em busca de um efeito diferente, nessa obra o que ele conseguiu fazer foi deixar as cores mais brilhantes. O orientalismo deve ter ficado na escolha das cores pois os jardins japoneses que ficavam na Europa possuíam esses tons que aparecem na pintura.

Após esse período místico-abstrato, o artista entrou no período chamado de Bauhaus e em Düsseldorf, uma das obras marcantes dessa época se chama Senecio.

Senecio, Paul Klee.

Senecio é uma pintura abstrata feita nos anos que antecederam a Segunda Guerra Mundial, quando estava ocorrendo a ascensão dos ideais do partido nazista, após o fim da Primeira Guerra Mundial, as obras como as de Paul Klee, dos cubistas, e modernistas em geral estavam sendo rejeitadas, as pessoas queriam ver uma arte mais harmônica. Quanto as qualidades técnicas de Senecio, essa pintura é uma obra cubista, possuindo a fragmentação e abstração típicas do cubismo, além das formas geométricas.

Após o início da Segunda Guerra Mundial o artista fez pinturas políticas para mostrar seu descontentamento e revolta com tudo o que estava acontecendo ao seu redor, uma dessas obras se chama Revolution des Viadukts.

Revolution des Viadukts, Paul Klee.

Revolution des Viadukts é uma obra antifascista que mostra arcos separados que não estão ligados por isso significa que tudo está em caos.

Paul Klee morreu no ano de 1940.

Compre meu e-Book na Amazon.

2 comentários em “Paul Klee, teoria de cores e uma arte antifascista

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.