Jean-Etienne Liotard, um retratista diversificado

Jean-Etienne Liotard nasceu em 1702 em Genebra. O artista era considerado um grande Connoisseur de arte, ou seja, um grande conhecedor e apreciador de artes, além de ser um grande pintor de retratos em pastel. Liotard viajou por toda a Europa e Oriente Médio aceitando encomenda de retratos, tanto de pessoas humildes quanto de homens muito humildes. O artista passou por diversas capitais como Roma, Instambul, Viena e Londres.

Liotard começou a sua vida viajando por diversas cidades por causa de seu pai, ainda em Genebra Jean-Etienne estudpu arte com o pintor suíço Daniel Gardelle. Quando seu pai e ele se mudaram para a França o artista teve aulas com Jean-Louis Petitot e depois com Benoît Audran le Jeune, e então trabalhou no ateliê de Jean-Baptiste Massé. Por último, Liotard aprendeu técnicas artísticas com o renomado François Lemoyne, cujo estilo artístico podemos ver na obra Vênus e Adônis na Imagem abaixo:

Vênus e Adônis, François Lemoyne.

François Lemoyne pode ser considerado um pintor do barroco, e a pintura acima François Lemoyne possui as características desse movimento artístico. Podemos ver o drama, os contrastes, a técnica de claro e escuro, os corpos em movimento, quase tendendo ao maneirismo, a paleta de cores mais colorida.

Os retratos de Jean-Etienne Liotard também mostram características barrocas mas com tendências ao movimento artístico do rococó que estava se desenvolvendo na época de Liotard, podemos ver isso no retrato de Marie Charlotte Boissier.

Marie Charlotte Boissier por Jean-Etienne Liotard.

O retrato de Marie Charlotte Boissier é uma pintura bem iluminada, com contrastes típicos da pintura barroca, com fundo em bege e marrom, Marie Usa um vestido que parece ser de inverno, com um casaco de veludo azul, forrado com pele branca, com detalhes em pérola, seu penteado não é muito extravagante, sua pose também é normal.

Uma outra pintura de retrato mais normal, com características próprias, que não é nem barroca, nem rococó, nem maneirista se chama a Primeira Taça.

Primeira Taça por Jean-Etienne Liotard.

Primeira Taça é uma pintura que pode ser classificada como uma pintura intimista ou de gênero, pois retrata um momento íntimo, em que a mulher está sendo servida com uma xícara de chá. O vestido da mulher retratada é verde, possui alguns detalhes mas nada exagerado como os vestidos das mulheres da corte na época do movimento artístico do rococó, em que havia diversos babados e laços de cetim, e detalhes em seda, além das enormes perucas.

Jean-Etienne Liotard não retratava apenas mulheres europeias e brancas, o artista passou por diversos países, uma dessas pinturas de outros países que ele passou ele fez uma pintura chamada Uma Jovem Mulher.

Uma Jovem Mulher por Jean-Etienne Liotard.

Uma Jovem Mulher retrata uma menina que aparenta ser adolescente negra que usa uma espécie de turbante branco com um laço, ela também usa um colar de diamantes e um vestido branco com uma camada transparente de tecido furta-cor e um brinco pequeno de argola de ouro. Ela está de perfil e sorrindo levemente, num fundo azul claro.

O que era do Oriente chamava a atenção dos europeus, por isso existia pessoas que usavam coisas que vinham do oriente médio e usavam pois achavam bonito e exótico, como foi o caso da princesa francesa Marie Adélaïde que foi retratada numa pintura de Jean-Etienne Liotard.

Marie Adélaïde por Jean-Etienne Liotard.

O retrato de Marie Adélaïde mostra uma característica da alta sociedade europeia que hoje em dia é muito condenada, que é o se fantasiar do exótico, sem considerar o contexto histórico, tipo o black face, a fantasia de escravo (por incrível que pareça, no Brasil uma editora de moda fez isso em sua festa de aniversário, e continua por aí como se não tivesse feito nada), mas o bom que hoje em dia estamos começando a criar consciência de que é errado mesmo que existam pessoas que façam isso e continuem impunes.

Quanto a qualidade da pintura, Jean-Etienne Liotard retratou a princesa num momento íntimo por isso a pintura pode ser classificada como uma pintura de gênero, no século XIX, esse tipo de pintura será confeccionado mais por artistas mulheres do que por homens, como Mary Cassatt, a pintora impressionista americana, que fará diversas pinturas com esse tema.

Jean-Etienne Liotard morreu no ano de 1789 e deixou como legado diversos retratos, tendo sido um pintor muito prolífico e por isso muitas exposições em seu nome já foram organizadas.

Compre meu e-Book na Amazon:

Imagens e Referências:

https://fr.wikipedia.org/wiki/Jean-Étienne_Liotard

Um comentário em “Jean-Etienne Liotard, um retratista diversificado

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.