Esculturas de Marfim e a Arte Bizantina

O marfim é um material que foi muito utilizado em esculturas, como é resistente diversas obras de arte feitas na Antiguidade e Idade Média sobreviveram ao tempo e através dessas esculturas de marfim sabemos como era a arte e a cultura há mais de mil anos. Hoje em dia não precisamos desse material na arte, já que temos materiais modernos que também são muito resistentes. Mas vale a pena olhar essas esculturas do passado.

Na Antiguidade Tardia, um período imediatamente anterior ao início da Idade Média, era comum a confecção de um tipo de díptico (arte feita em duas placas que formam um par) chamado de Díptico consular, uma peça popular entre pessoas ricas e servia como uma espécie de objeto comemorativo. As cartas de nomeação de cargos eram colocadas dentro dessas duas placas unidas, como se fosse um pequeno livro.

O díptico na imagem acima se encontra no museu do Louvre e se chama díptico consular de marfim do Areobindo.

Um dos dípticos imperiais mais antigos que também se encontra no museu do Louvre se chama Marfim de barberini.

Marfim de barberini.

Esse díptico de marfim foi confeccionado na Constantinopla por volta do século VI a.C. A figura central nessa placa retrata o ícone do imperador vitorioso, a figura humana aparece em cima de um cavalo numa pose que indica uma imagem imponente do imperador. Diferente do díptico consular na primeira imagem do post, o Marfim de Barberini não foi utilizado como capa de livro.

Acima dessa imagem do imperador temos a figura de Jesus Cristo, dois anjos estão dispostos em cada lado da imagem de Cristo. Na parte inferior aparece diversos personagens humanos que representam os bárbaros sob o qual o imperador havia triunfado.

Além das pequenas esculturas em relevo de marfim, também existiam objetos grandes entalhados nesse material como o Trono de Maximiano.

Trono de Maximiano.

Esse trono foi confeccionado para o bispo Maximianus de Ravenna, esse tipo de cadeira usada por um bispo numa Basílica recebe o nome de cátedra. O trono foi esculpido no Império Bizantino, Ravenna foi uma cidade que foi residência do Imperador Justiniano, por isso existe uma grande quantidade de objetos dessa época do Império Bizantino. Essa cátedra é classificada como sendo uma arte do período primitivo do Império Bizantino.

Além de ser uma arte primitiva bizantina, a cátedra foi esculpida com duas técnicas diferentes, ou seja, por dois artistas. Isso aconteceu porque na época o Império Bizantino era assolado por uma praga, e deduz-se que alguns dos artistas da época sucumbiu a essa doença, por isso essa obra teve que ser concluída por outro artista.

Alguns desses dípticos esculpidos em marfim possuem um tamanho pequeno, como o Díptico com a Coroação da Virgem e o Juízo Final:

Díptico com a Coroação da Virgem e o Juízo Final.

A peça de marfim acima tem o tamanho de um livro pequeno 12,7 cm x 13 cm. Os dípticos religiosos portáteis eram utilizados de uma forma privada, como um objeto para um pequeno altar de uma residência de alguma pessoa rica ou nobre.

Na Idade Média era comum a confecção de Iluminuras extremamente ornamentadas, usando folhas de ouro. Então a capa desses manuscritos iluminados eram muito decoradas, geralmente com ouro e pedras preciosas, também era utilizado capas esculpidas de marfim.

Com o passar do tempo, os dípticos foram substituídos por trípticos, um painel dividido em três placas. Um dos mais famosos trípticos de marfim da Alta Idade Média é o Tríptico de Harbaville, confeccionado no século X.

Esse painel de marfim representa um ícone típico da Idade Média chamado de Cristo de Pantocrator, também conhecido pelo nome de Deesis. Esse Jesus Cristo esculpido no tríptico aparece sentado num trono divino e com a mão direita levantada em um sinal de benção. Essa escultura de marfim se encontra no Museu do Louvre em Paris.

O Império Bizantino passou por um período de destruição de imagens religiosas, a Iconoclastia. Por isso .temos uma divisão entre antes e depois na representação de símbolos, após essa época o Cristo de Pantocrator, com a mão direita levantada, se tornou um dos ícones mais populares na arte medieval, principalmente no Império Bizantino.

Outro marfim bizantino do século X é o Tríptico de Borradaile.

Tríptico de Borradaile.

Essa escultura de marfim tem a imagem de Jesus Cristo crucificado, com as figuras de São João e da Virgem Maria, um em cada lado de Cristo. O Tríptico de Borradaile também foi confeccionado em Constantinopla fazendo parte da arte bizantina da Idade Média.

As esculturas de relevo em marfim foram muito populares na Antiguidade Tardia e no começo da Idade Média, por isso, esses objetos são muito importantes para conhecer a história da arte desse período.

Compre meu novo e-Book na Amazon:

Um comentário em “Esculturas de Marfim e a Arte Bizantina

Deixe uma resposta para clodoweg Cancelar resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.