A Primeira Guerra Mundial e arte na Europa no século XX

A Primeira Guerra Mundial é um dos grandes acontecimentos do século XX, esse grande conflito aconteceu principalmente na região da Europa. O mundo estava sofrendo uma grande evolução graças à Revolução Industrial e a Revolução Francesa. No começo da Idade Média, quando os reis estavam conquistando poder e territórios, houve a subida de uma nobreza que ficava revezando tronos por quase toda a Europa. Enquanto as dinastias nobres estavam no poder na figura do rei, o resto das pessoas ficavam desassistidas e viviam na miséria.

A Primeira Guerra Mundial

Os recursos na era Medieval eram voltados para fazer guerra, houve quase quinhentos anos de disputas de territórios entre as famílias Capeto e Plantageneta. O dinheiro dos impostos eram destinados a essas guerras, enquanto a Europa passava por um período difícil com a epidemia da Peste Negra (ou A Praga), que matou um terço da população europeia. Enquanto isso havia as revoltas camponesas contra os anos de exploração praticada pelo senhor feudal. Quando se tem uma monarquia no poder, os recursos são destinados aos interesses dessa monarquia, e então a ciência fica “travada”, as pessoas passam fome.

A Peste Negra.

No século XVIII o povo francês havia chegado ao limite. Os burgueses, não importando o quão ricos poderiam ser, não eram uma parte ouvida pelo Estado, todos os impostos que as pessoas pagavam iam direto para o rei e distribuído entre a nobreza. O rei Luís XVI era como os seus antecessores, financiando guerras, agradando a nobreza com mimos, utilizando para financiar isso, os impostos pagos pelo “Terceiro Estado” (O primeiro Estado era a nobreza, e o segundo o clero).

A Revolução Francesa levou o rei para a guilhotina e milhares de pessoas também tiveram esse destino. Mesmo após a perda de tantas vidas, a nobreza continuava tentando a todo custo recuperar o poder. Então a França passa quase todo o século XIX lutando pra derrubar de vez qualquer resquício da monarquia. Apesar de todos esses conflitos que ocorreram na França, a cidade de Paris se tornou o centro cultural do mundo ocidental. A Revolução Francesa, Napoleão, até mesmo os Bourbon haviam criado um ambiente de arte e cultura. Os reis da França e Napoleão foram os responsáveis por adquirir (ou até mesmo saquear) diversas obras de arte que hoje estão no Louvre. Os cafés de Paris que reuniam os revolucionários também eram frequentado por artistas.

Os resquícios da nobreza que ainda perduravam no início do século XX foram os responsáveis pela eclosão da Primeira Guerra Mundial. As alianças que eram feitas entre os nobres na Idade Média, através de casamentos e acordos havia criado uma tradição que levou os países europeus a formarem alianças um pouco estranhas. Com o grande fluxo de riquezas gerado pela ascensão das indústrias somado ao saque promovido na África quando dividiram o continente em regiões que “seriam” de certos países europeus criou tensões entre os países que fizeram essa partilha.

Ao reunir diversas regiões governadas por um mesmo Rei, surgiu os Estados Absolutistas, com isso também foi criado os Estados Modernos. Quando aparece a figura do Estado logo após surge a Nação e disso sai a ideia de nacionalismo. Para os Estados Absolutistas era importante essa identificação do povo com o estado soberano, somente assim é possível a formação de um exército próprio e não mais um exército mercenário. Outra vantagem do estado absolutista é a unificação do sistema monetário, algo que era importante para a negociação de mercadorias e para o funcionamento dos bancos.

Após um longo período em que as monarquias e a nobreza travavam guerras, desde o começo da Idade Média, diversos territórios mudaram de governantes e aqueles assuntos mal resolvidos que resultaram nessas guerras medievais foram transferidos para o estado absolutista. O nacionalismo aliado a essas questões mal resolvidas sobre territórios criaram tensões entre as nações.

Todos esses fatores somados deram início a esse grande conflito que começou no ano de 1914 e terminou em 1918.

A arte na Primeira Guerra e o movimento cubista

A França era um lugar com longa tradição artística, desde a época do absolutismo até a queda no final das duas grandes guerras, os artistas ainda assim trabalharam fazendo arte. Alguns foram afetados pela Guerra Franco-Prussiana que ocorreu no século XIX. As revoluções que ocorreram ainda nesse século na França motivou os artistas a retratarem essas cenas. Como na famosa tela chamada de A liberdade guiando o Povo de Eugéne Delacroix.

A liberdade guiando o povo, Eugene Delacroix.

Havia a arte acadêmica que se tornou popular na França no século XIX e os movimentos modernistas contrários a esse tipo de arte. O impressionismo surgiu questionando essa estética acadêmica. E no final do século XIX já estava começando a arte pós-impressionista, uma das correntes artísticas que apareceu foi o Cubismo.

O Cubismo pode ser analisado como uma reação artística à Revolução Industrial e ao grande avanço científico que ficou acelerado no século XIX e XX. Esse movimento artístico se desdobrou em diversas vertentes mas a que estava ocorrendo na época da Primeira Guerra Mundial foi o Cubismo de Cristal.

Esse tipo de cubismo se focava mais no conceito abstrato das coisas em vez das figuras fragmentadas identificáveis e parecidas com as obras de Paul Cézanne. O cubismo de cristal é considerado como tendo a estética mais pura do cubismo. Podemos ver um exemplo de como é uma pintura cubista de cristal na pintura abaixo, chamada de Soldado em um jogo de xadrez de Jean Metzinger.

Soldado em um jogo de xadrez, Jean Metzinger.

Ao fim da Primeira Guerra Mundial o movimento cubista perdeu força pois após um conflito tão sangrento as pessoas queriam ver obras mais clássicas do que as mostradas pelos movimentos de vanguarda europeia, especialmente o cubismo. Com o início da Segunda Guerra Mundial, a arte vai sofrer outra grande mudança.

Compre meu livro na Amazon:

Versão em espanhol:

Um comentário em “A Primeira Guerra Mundial e arte na Europa no século XX

  1. La lucha por el poder y el dinero siempre ha sido y siempre será, me temo.
    El ciudadano de a pie siempre se ha opuesto a ella y por eso es lógico que esto se refleje en determinados movimientos artísticos.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.