Georges Seurat e o neoimpressionismo

Georges-Pierre Seurat nasceu em 1859 na cidade de Paris, o artista faz parte do movimento artístico do pós-impressionismo, além de ser um grande teórico das técnicas conhecidas como divisionismo e pontilhismo. Junto com Paul Signac, Seurat participou da Sociedade de Artistas Independentes, e divulgou o movimento pós-impressionista nos grupos de artistas de vanguarda. Este pós-impressionismo foi nomeado por Félix Fénéon, um crítico de arte, como neoimpressionismo. Georges Seurat faz parte do quarteto de artistas pós-impressionistas como Paul Gauguin, Van Gogh, e Cézanne.

A mãe de Georges Seurat era irmã da esposa do artista Paul Haumonté, um dos primeiros artistas que Seurat teve contato. O artista estudou artes na École Municipale de Sculpture et Dessin e também fez diversos cursos na prestigiada Escola de Belas Artes de Paris. Seurat aprendeu técnicas de pintura artística no estúdio de Henri Lehmann, um pintor que também lecionava na Escola de Belas Artes de Paris. Foi com Lehmann que Seurat aprendeu técnicas como o claro-escuro. Uma das obras de Lehmann que demonstram o estilo artístico que o jovem Seurat aprendeu, é a pintura Santa Catarina de Alexandria:

Santa Catarina de Alexandria, Henri Lehmann.

Seurat teve que cumprir um ano de serviço militar obrigatório, a França passava por um período crítico de guerras e rebeliões. Por causa disso, Georges Seurat parou de aprender artes, e após o fim desse alistamento obrigatório, o artista passa a pintar definitivamente. Ele abriu um estúdio junto com Edmond Aman-Jean, um pintor simbolista. Georges Seurat decidiu se dedicar primeiro à pintura monocromática, com Henri Lehmann o artista teve o mesmo treinamento artístico que outros pintores, copiando obras de grandes mestres e desenhando a partir de esculturas.

Para criar sua teoria de cores, Georges Seurat estudou com muita atenção as obras do artista Eugéne Delacroix.

No ano de 1883, o artista se dedicou a primeira de uma de suas grandes obras primas, Banhistas em Asnières, uma pintura monumental de 2 m x 3 m.

Banhistas em Asnières, Georges Seurat.

Georges Seurat submeteu esta pintura ao Salão de Paris, mas a obra foi rejeitada, apesar de não ter tido uma boa recepção do público quando finalmente foi exposta no Salão dos Independentes, hoje em dia é uma das obras das vanguardas artísticas europeias mais estudadas.

Félix Fénéon gostou da novidade criada por Seurat e comprou a pintura Banhistas de Asniéres, após a morte de Georges Seurat, o crítico de arte apoiou a pesquisa de cores feita por Seurat quando este ainda era vivo.

Paul Signac e Georges Seurat participaram da oitava e última exposição dos impressionistas, Camille Pissaro apoiou a participação dos dois neoimpressionistas, mesmo com a resistência de artistas como Claude Monet, que se recusou a expor suas pinturas junto com os neoimpressionistas. A pintura exibida por Georges Seurat nesta última edição da exposição dos impressionistas, é a Uma tarde de domingo na ilha de La Grande Jatte:

Uma tarde de domingo na ilha de La Grande Jatte, Georges Seurat.

Atualmente esta pintura se encontra no Instituto de Arte de Chicago nos Estados Unidos. O artista fez uma série de esboços e preparativos para compor esta pintura.

O pontilhismo criado por Georges Seurat atrai o artista Paul Signac que passa a ser um grande defensor e artista da pintura chamada de pontilhista.

Seurat pintou a obra Le Chahut utilizando as teorias de cores que criou, divisionismo e pontilhismo, esta pintura foi uma grande inspiração para os movimentos artísticos dos fauves, cubismo e futurismo.

Le Chahut, Georges Seurat.

O artista pintou uma apresentação no famoso cabaré Moulin Rouge, em Paris. Seurat utilizou tons terrosos e avermelhados para compor a pintura. É possível notar a utilização da técnica pontilhista nesta pintura. Ao redor da pintura Seurat utilizou tons de azul escuro, e também representou o músico de costas nesta mesma cor. A pose das bailarinas e dos músicos, o contraste, a escolha das cores dão a ilusão de movimento à pintura.

Esta pintura foi exposta no Salão dos Independentes, Seurat também exibiu outra obra na mesma exposição, esta outra pintura se chama, Jeune femme se poudrant.

Jeune femme se poudrant, Georges Seurat. 

Esta obra se tornou uma grande referência do pontilhismo. Nesta tela, o artista pintou um autorretrato no que parece ser uma janela, na verdade é um espelho, porém ele colocou por cima um vaso de flores. Com tecnologias atuais foi possível ver este autorretrato feito por Georges Seurat.

Uma de suas últimas obras de arte expostas, foi apresentada no Salão dos Independentes no ano de 1891, e se chama Le Cirque.

Le Cirque, Georges Seurat.

No mesmo ano, Georges Seurat apresenta sintomas de infecção, não se sabe ao certo se foi pneumonia, angina ou difteria. O artista acabou morrendo de repente por causa desta doença infecciosa no ano de 1891.

Após a morte de Georges Seurat, Paul Signac se dedicou a divulgar as teorias artísticas criadas por Seurat.

Compre meu livro na Amazon:

Um comentário em “Georges Seurat e o neoimpressionismo

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.