O Roubo do Museu Isabella Stewart Gardner: teorias e teorias…

O maior roubo de obras de arte do mundo foi o famoso Roubo do Museu Isabella Stewart Gardner que aconteceu no dia 18 de março do ano de 1990 em Boston nos Estados Unidos. Esse crime nunca foi selecionado e essas obras não foram recuperadas até hoje. No total foram levadas treze obras de arte desse museu, esse roubo, além dessa grande quantidade de obras levadas também existe algumas características peculiares sobre esse crime, começando pelo tempo que os ladrões passaram no museu..

81 minutos

Os ladrões levaram as fitas cassetes das gravações em vídeos do circuito interno de segurança, assim como os registros impressos dos sensores de segurança, mas esqueceram do HD, que ficaram registrados os alertas dos sensores, e de acordo com eles, os dois ladrões ficaram um total de 81 minutos no museu, ou 1h e 21 minutos, é muito tempo.

Isso mostra que eles não sabiam quais obras iriam levar do museu, se eles soubessem, já se direcionariam às salas com as obras escolhidas. Mas os sensores mostram que eles passaram a maior parte do tempo na chamada sala holandesa, que se encontra no primeiro andar, onde ficavam as pinturas de Rembrandt. Na cronologia dos sensores, os dois parecem se separar em algum momento, enquanto um fica na sala holandesa, outro fica na sala pequena, onde fica esboços e gravuras que são cortadas das molduras e levadas.

O único momento em que o alarme de um sensor começa a soar é quando alguém vai para a sala azul, onde a pintura Chez Tortoni de Manet é cortada da moldura e levada.

Chez Tortoni, Éduoard Manet.

Chez Tortoni é uma pintura relativamente pequena (26 cm × 34 cm) se comparada com A Tempestade no Mar da Galileia (160 cm x 128 cm), de Rembrandt, que também foi levada. O problema com Chez Tortoni se encontra no registro marcado pelo sensor, que marcou somente a entrada do vigia na ronda, e essa pintura foi mesmo levada.

Outro problema com o tempo de quase 1 hora e meia seria… o que eles fizeram como todo esse tempo? Cortar as pinturas da moldura leva um tempo pois as telas são duras, cheias de tinta seca e muitas vezes com muitas e muitas camadas de verniz, como as pinturas de Rembrandt (provavelmente elas devem ser assim por causa de outras pinturas do artista que foram tratadas com muitas camadas de verniz para conservação). Mas mesmo assim…

Não entendiam de arte e nem do valor das obras

Eu assisti o documentário na Netflix Isabella Stewart Gardner Heist, confesso que quando eles começam a mostrar imagens do roubo e as obras do museu eu vejo algumas telas e penso “Mas isso vale muito mais do que aqueles desenhos”, “Aquele lá é um Ticiano”, só de passar a câmera rápido podemos ver obras muito valiosas, pra quem ficou 81 minutos num museu cheio de pinturas famosas de artistas renomados.

Uma das pinturas mais valiosas que se encontravam no museu na hora do roubo era a famosa pintura Rapto de Europa pintada por Ticiano.

Rapto de Europa, Ticiano.

Foi um crime de oportunidade? Ou seja, estavam passando por ali, por um acaso tinham uma fantasia de policial e decidiram roubar o museu? Não. Mas estavam preparados para isso? Também não. Isso levanta uma pergunta, será que eles esperavam roubar pinturas tão valiosas? Ou achavam que estavam levando algo entre 10 mil e 100 mil dólares? Talvez não esperassem esse repercussão. É uma possibilidade.

O maior alvo foi as obras de Rembrandt

Oficialmente os ladrões levaram 3 pinturas de Rembrandt e 1 desenho. Eles quase levaram uma pintura de autorretrato do artista, e ainda acharam que levaram mais uma pintura que era creditada a Rembrandt, mas mais tarde foi descoberto que na verdade foi confeccionada pelo seu aluno Govaert Flinck.

Em geral existe essa aura de que as pinturas de Rembrandt possuem valor, e como eles foram numa sala onde existiam desenhos e um deles era uma gravura de Rembrandt. A imagem abaixo é A tempestade no mar da Galiléia:

A tempestade no mar da Galiléia, Rembrandt.

A tempestade no mar da Galiléia que está na imagem acima provavelmente recebeu um bom tratamento digital, não é a pintura que os criminosos viram na noite do crime, para conservar essas pinturas à óleo, os restauradores usavam verniz, que escurece muito a pintura, vou mostrar um exemplo, a pintura abaixo é Night Watch de Rembrandt:

Night Watch, Rembrandt.

Sabia que a cena não acontece de noite? É a pintura que está escurecida por causa da aplicação de verniz. Em 2019, o museu que abriga a pintura fez uma restauração que removeu essas camadas de verniz e olha como a pintura ficou:

Night Watch, Rembrandt.

Ficou o próprio tratamento digital ao vivo. Então, já determinamos que essas pinturas estavam um pouco mais escurecidas do que as digitais que vemos hoje em dia.

Os dois ladrões que roubaram as 13 obras do Museu Isabella Stewart Gardner naquele dia 18 de março de 1990 não eram profissionais e provavelmente não esperavam chamar a atenção que tiveram, a não ser que eles tivessem roubado outra coisa e as 13 obras fosse somente uma distração, essas obras devem ter sido destruídas por causa do susto causado pela repercussão, afinal são 10 milhões de dólares, mas pode ser que essas peças ainda existam no porão escuro de alguém, nunca se sabe?!

E você? O que acha que aconteceu? Deixe sua hipótese nos comentários.

Compre meu e-Book na Amazon:

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.