Arte Gótica e Arte Românica, semelhanças e diferenças

A arte gótica, é um movimento artístico que ocorreu na Idade Média após outra corrente artística conhecida como arte românica. O estilo gótico se diferencia do românico por causa da monumentalidade, as obras de arte góticas são grandiosas e inclui afrescos, a pintura de painel, e principalmente os vitrais. Uma grande novidade introduzida pela arte gótica são os vitrais.

A arte românica, anterior a gótica havia produzido os famosos manuscritos iluminados que eram textos cheios de decoração, a letra capitular, que aparece em manuscritos da Idade Média, foi inventado no período românico.

Manuscritos Iluminados.

Estes manuscritos podem ser considerados os blogs da Idade Média. O estilo artístico gótico acrescenta a estes manuscritos uma decoração maior do que a da época românica. Eram utilizados ouro e diversas cores para fazer a ornamentação de textos. A arte gótica criou a novidade dos dosséis, imagens acima do texto, e também, por causa destes dosséis, as letras eram mais comprimidas do que o manuscrito iluminado românico.

Manuscrito iluminado gótico.

Na arte românica haviam os painéis que eram pintados sobre uma madeira. Estas pinturas geralmente eram feitas com o propósito de virar um retábulo, por causa dos materiais utilizados e pelo fato da madeira não ser um material que dure mais de mil anos se não houver um processo de restauração e conservação, estima-se que mais de 99% desses painéis foram perdidos com o tempo.

O retábulo de Ghent, pintado por Jan Van Eyck, foi produzido por volta do século XV e XVI.

Retábulo de Ghent.

Na arte gótica, esta pintura em painel foi substituída pelos vitrais. O vidro colorido não foi uma invenção da Idade Média, existem registros que mostram que esta arte era dominada pelos antigos romanos e até mesmo pelos fenícios.

As janelas coloridas foram ficando cada vez mais comuns na Idade Média, até quando se desenvolveu as enormes catedrais de estilo gótico, com o teto alto e muita iluminação proporcionada pelas janelas de vidro colorido. Mas as igrejas em estilo românico também possuíam vitrais.

Carlos Magno, Catedral de Estrasburgo.

Os vitrais eram utilizados pelas igrejas para representar imagens de santos, a história de vida de Jesus Cristo, algumas passagens da Bíblia. Também surgiu as famosas rosáceas, que são janelas redondas com padrões coloridos.

Zachi Evenor baseado em Arquivo: North rose window de Notre-Dame de Paris, agosto de 2010.jpg por Julie Anne Workman

As obras pintadas por artistas como Jan Van Eyck são consideradas góticas, apesar de se encaixarem no renascimento comercial e artístico da Holanda. Os retábulos e afrescos pintadas pelo artista, são consideradas como parte da arte primitiva holandesa.

Madonna do Chanceler de Rolin, Eyck.

A imagem acima, Madonna do Chancer de Rolin, embora tenha sido uma encomenda particular, a obra apresenta características góticas, como por exemplo o alto grau de detalhamento e uso de cores caras como o vermelho.

A arquitetura gótica é o segmento artístico que mais se destaca quando se fala sobre arte gótica. Uma das características que podemos ver no interior de catedrais góticas é a abóbada em nervura:

Imagem: Pxabay.

A grande altura destas catedrais com suas torres e pináculos que chamam a atenção quando você olha o exterior destes edifícios também uma grande característica da arquitetura gótica. Podemos ver o grande detalhamento externo de uma catedral, com acontece na Catedral de Milão.

Catedral de Milão, Pixabay.

Na arquitetura gótica existe o formato de ogiva das janelas e até mesmo os efeitos visuais provocados pelas abóbodas cruzadas.

Formato de ogiva. Imagem: Pixabay.

Existe um ramo da arte gótica, conhecida pelo nome de gótico internacional. Este estilo artístico tem como característica na pintura e escultura, a elegância e o grande detalhamento. É o gótico internacional que se desenvolveu na região da Borgonha e Boêmia que começa a transição para um movimento artístico completamente novo, conhecido pelo nome de Renascimento.

Roudnice Madonna. (artista: Mestre do Retábulo de Třeboň)

A Igreja começa a deixar de ser uma patrocinadora artística hegemônica e aos poucos as encomendas particulares dão o apoio financeiro que um artista precisa. Nesta época o artista deixa de ser um Mestre do Retábulo de Třeboň, e ganha nome e individualidade.

Muitas obras góticas e românicas da Idade Média são de autores desconhecidos, pois nesta época não havia uma mentalidade individualista suficiente para que os artistas assinem suas obras.

Conhecemos apenas alguns artistas pelo nome no período gótico internacional ou tardio. Um destes artistas era Lorenzo Monaco, sabemos muito pouco sobre sua vida particular mas conhecemos as obras de arte deixadas por ele como a Adoração dos reis magos:

Adoração dos reis Magos, Lorenzo Monaco.

Os personagens representados pelos artistas do gótico tardio é refinado e idealizado. As cenas pintadas geralmente possuem um grupo de pessoas, diferente do estilo artístico medieval anterior, que era inspirado no bizantino.

O estilo gótico tardio foi substituído pelo movimento artístico da renascença que floresceu na Itália.

Compre meu livro na Amazon:

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.