Categoria: Literatura

“Nunca pergunte por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”

Essa frase é do poeta inglês John Donne, que viveu entre os séculos XVI e XVII. Ele teve uma vida difícil, viveu na pobreza, escreveu muitas poesias. E a frase famosa, que está no título do post, foi escrita na última fase de sua vida, quando estava doente, e tinha sofrido muitas perdas (morte de amigos e até a filha faleceu – aos 18 anos), e continuava pobre.

A frase completa é: “A morte de cada homem diminui-me, porque sou parte da humanidade. Portanto, nunca procure saber por quem os sinos dobram; eles dobram por ti.”.

A citação tem vários significados, mas a que eu acho melhor é que essa frase fala sobre a empatia humana. Que a vida de todos os homens é importante, e quando alguém morre, a humanidade também morre. Pois essa vida que se foi, representa um vazio na sociedade. E devido a empatia, cada ser humano sente essa perda.

E também representa que estamos todos conectados (o homem do pântano diz isso para o Avatar, no desenho Avatar: A lenda de Aang*, no episódio do pântano, na segunda temporada), é algo muito profundo.

Além do sino anunciar a morte de alguém, ele também tem outras funções, ele representa “a voz de Deus”, guia as almas perdidas para a redenção, e marca as horas (é útil, mas não tem a ver com a frase). O sino dobra por vários motivos na Igreja Católica.

Sino da igrejs

Fonte da imagem 

Saindo da reflexão espiritual e indo pra parte filosófica. A empatia** humana, segundo alguns cientistas, seria a raiz da ética.

E a ética é um dos assuntos preferidos dos nossos queridos filósofos, e será o futuro tema que abordarei no blog. Ética: o que é? o que come? e onde vive? Não perca no próximo programa “Filsofia Popular” ou pop para os mais íntimos.

*Assista esse desenho, ele começa meio bobinho e infantil, mas é só uma impressão, conforme a história progride vai ficando cada vez mais adulto e complexo. O Avatar recebe várias lições de vida, e o final é muito bom. O jeito que os escritores acharam uma solução para o problema do que aconteceria com a nação do fogo quando a guerra acabasse, foi perfeito, e essa solução já começa no Livro 3, ou terceira temporada.

**Existe uma parte do cérebro que é responsável pela empatia, mas o mecanismo dessa emoção no cérebro humano. de acordo com ciência, ainda não está bem estabelecido. Mas empatia é algo real, quem não tem essa capacidade cerebral de sentir empatia pelos outros são conhecidos como psicopatas (psicopatia é uma doença cerebral).

 

Autores brasileiros: Graciliano Ramos

No Brasil existem bons autores, muito bons mesmo, e tem aqueles que querem que a gente ache “cult”. E tem outros autores que achamos ruins porque nos mandaram ler o livro errado. Um desses injustiçados se chama Graciliano Ramos.

Nas listas de vestibular, que eu tive que ler, tinha um livro dele bem chato e arrastado (principalmente pra quem tinha que ler uns 30 livros diferentes) que é São Bernardo. Li muito rápido e por cima, mas é que ele começa a ser preconceituoso e usa estereótipo (odeio, perco o interesse quando noto isso), daí, tipo, desisti dele e li o livro meio “por cima”. Mas aí vem Fuvest e pede outra obra dele, Vidas Secas.

Porém era uma época diferente, a fuvest é muito mais perto de dezembro do que os outros vestibulares ( que são em setembro e outubro) e como já tinha estudado toda a matéria, só restou a lista de livros pra ler. E comecei por Vidas Secas (minha opinião na época era, começo pelos livros mais chatos), e São Bernardo era chato então…raciocínio tosco, mas quem não tem?

Fiquei surpresa. Era outro Graciliano Ramos, com personagens complexos, situações difíceis e nada artificial. Sem estereótipos, nada de desgraça desnecessária, o livro se propõe a mostrar uma realidade desconhecida por muitos brasileiros. Apresenta um problema, mostra causas, e deixa no ar uma reflexão e até mesmo uma responsabilidade para nós, como sociedade, pra resolvermos esse problema.

Vidas Secas, de Graciliano Ramos, é 4,5 estrelas. Só Shakespeare é 5 estrelas, pois só ele começa zoando estereótipos, e só ele tem a capacidade de parar uma história pra dizer “vc não é melhor que ninguém não. Eu tive que dizer o que é certo e errado, e vc aí se julgando moralmente superior” e ainda dar uma lição sobre o perdão numa história como Otelo (vc lendo, aí vem uma parte “deixa eu aproveitar e te dizer uma coisa importante, que cabe nesse contexto, e vai te ajudar na vida…”).