A ansiedade e “Alice no país das maravilhas”

O texto para refletir de hoje é sobre a causa da ansiedade no mundo em que vivemos.

Usei como metáfora a obra de Lewis Carroll, “Alice no país das maravilhas, e o filme da Disney produzido em 1951.

Você vai perceber como é impressionante a semelhança do mundo estranho que Alice deseja e encontra, e o mundo que vivemos, e como nosso estilo de vida contemporâneo  contribui pra nos deixar tão ansiosos e frustrados com a vida. E a solução pra esse problema.

aliceansiw1Ansiedade: Vivendo no “País das maravilhas”

Como o mundo que criamos, “O País das maravilhas” nos deixou tão ansiosos e estressados. Como o exemplo da Alice pode te ajudar a superar o estresse e viver uma vida melhor,

Clique aqui

 

Anúncios

Como choramos e rimos da mesma coisa?

Prepare-se para conhecer os humanos, segundo o Montaigne.

Uma breve introdução…

Michel de Montaigne, nasceu em 1533, foi um humanista , escritor, filósofo e cético.

Sua grande obra foram os Ensaios, que são livros com textos curtos sobre diversos assuntos. Tipo um blog de 1500?

O que mais me interessou foi as ideias dele sobre a educação das crianças. Segundo ele, a educação rígida, com livros enormes, consumiria muito tempo e seria pouco eficiente.

A educação deveria formar indivíduos honestos, aptos ao julgamento, tornando-os um adulto mais sábio e melhor.  E o ensino deveria ser mais voltado a experiência, além de respeitar a individualidade da criança. É uma ideia muito futurística, pra alguém de 1500 e bolinha.

Um dos livros dele que eu to lendo, “Ensaios da amizade e outros textos”, contém o famoso texto em que ele faz em homenagem a um amigo dele que morreu, é muito comovente e maduro.

choromeme1

O autor não dá muitas respostas, mas lança muitas perguntas e fala de situações que a gente passa. Por exemplo, ontem alguém me falou que quando a gente rompe um relacionamento tóxico, nós devemos nos sentir feliz e não tristes e feliz ao mesmo tempo.

Mas todo ser humano, que tem sua humanidade intacta, tem isso, de ter sentimentos conflitantes.

Então, vamos responder a pergunta do título do post:

Como choramos e rimos da mesma coisa, segundo Montaigne?

Tem um capítulo do livro que se chama: “Como choramos e rimos da mesma coisa” e ele conta relatos históricos de líderes que quando matavam seus inimigos ficavam tristes pela morte deles, embora quisessem o inimigo morto, choravam/lamentavam quando este morria.

Montaigne diz que o ser humano é cheio de emoções opostas, pois cada coisa/pessoa/relacionamentos tem diversos aspectos, bons e ruins, e ainda temos aquilo…

Aquilo que se chama esperança. Enfim….

humanosme

Justiça X Vingança e o Gumball

Eu poderia falar sobre como Justiça e vingança são diferentes, usando os argumentos de Thomas Hobbes e John Locke. Mas vou falar sobre isso usando o desenho “Gumball”.

Gumball ou “O Incrível mundo de Gumball”, é uma série de desenho animado exibido pelo Cartoon Network. Fala sobre a história da família Watterson, e o universo de Gumball é todo estilizado, o personagem gumball é um gato azul de 12 anos,  ele tem um irmão adotivo que é peixe e o nome dele é Darwin, uma irmã mais nova que é uma coelha super dotada, além de sua mãe, pai, professores, colegas de aula.

Enfim, Gumball a primeira vista poderia ser visto como um desenho puramente infantil, mas ele não é, ele aborda várias questões da vida, e dá lições filosóficas, tudo isso acontece em torno da teimosia do personagem Gumball e da ajuda e conselhos do Darwin.

gumbal

Por que estou falando de Gumball pra falar sobre a diferença de justiça e vingança?

Porque [só vou falar spoiler a partir de agora, se continuar é por sua conta] existe um episódio que o Darwin empresta uma caneta a um colega de classe, e ele acaba devolvendo a caneta com a tampa mastigada.

Aí o Gumball já diz que isso que aconteceu foi uma injustiça, e o Darwin pergunta se ele não poderia deixar pra lá ou resolver tudo na paz, mas o Gumball logo descarta a ideia dizendo que ele poderia faz isso, mas que não seria “justiça”.

Esse colega volta a classe e os dois, Darwin e Gumball estão querendo justiça, enquanto o colega não percebe nada.

No meio dessa história, em busca de justiça (que na verdade fica claro que é vingança) eles pedem uma cola emprestada desse colega (Joe Banana) e devolvem ela cheia de furos. E isso faz com que o Joe Banana use essa cola cheia de furos, e fique colado e ele acaba escorregando e vai parar na enfermaria.

O Joe banana conta a quem emprestou a cola cheia de furos, e os dois, Darwin e Gumball são levados ao conselheiro da escola (se não to misturando os episódios, ou a ordem). Mesmo depois do Joe ter ido pra enfermaria, e eles levado bronca, eles não desistem de buscar a justiça pela caneta mascada.

Daí eles decidem invadir o armário do Joe Banana,  encontram uma caneta e resolvem morder ela. Um pouco depois o Joe Banana aparece pra eles, e dá uma caneta nova, porque a antiga que eles emprestaram estava mascada, e que ele esperava que isso resolvesse o problema.

Mas os dois já tinham feito besteira mascando uma caneta do Joe Banana que acharam no armário que eles invadiram. E caem na real: “A gente exagerou, tomara que ele não descubra a história do armário”, um diz pro outro.

Nesse meio tempo o Joe Banana fala que ele possui guardada no armário uma caneta que foi herdade pela família, e que ele sabia como o Darwin se sentia pela caneta estragada, já que ele ficaria irado se estragassem a caneta dele. Ou seja… F%$#@…. rola a maior confusão, e no final da história o Gumball tira do bolso uma caneta mascada, e aí diz pro Darwin “Foi mal, acho que fui eu que masquei sua caneta”.

A moral desse episódio: é muito fácil exagerar na busca por “Justiça”, que pode virar vingança (que é uma reação exagerada e muito mais violenta que o ato que pede “justiça” ou reparação). E como não existe juiz imparcial, e o Gumball é movido por emoções e preconceitos. A coisa degringola…. e ao tentar fazer justiça com as próprias mãos eles acabam exagerando e cometendo uma injustiça.

Afinal, mascar a caneta hereditária do Joe Banana, invadindo o armário dele, é muito pior do que supostamente entregar uma caneta que foi emprestada só que entregue mascada.

E é mais ou menos isso que os filósofos argumentam, que a justiça com as próprias mãos pode levar a um exagero e a mais violência.

*Os direitos de imagem e reprodução dos episódios de Gumball são da Cartoon Network. Além da publicidade involuntária desse desenho, eu recomendo que assistam os outros episódios, porque eles passam as coisas de forma leve, divertida e ao mesmo tempo promovem reflexão.

“Nunca pergunte por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”

Essa frase é do poeta inglês John Donne, que viveu entre os séculos XVI e XVII. Ele teve uma vida difícil, viveu na pobreza, escreveu muitas poesias. E a frase famosa, que está no título do post, foi escrita na última fase de sua vida, quando estava doente, e tinha sofrido muitas perdas (morte de amigos e até a filha faleceu – aos 18 anos), e continuava pobre.

A frase completa é: “A morte de cada homem diminui-me, porque sou parte da humanidade. Portanto, nunca procure saber por quem os sinos dobram; eles dobram por ti.”.

A citação tem vários significados, mas a que eu acho melhor é que essa frase fala sobre a empatia humana. Que a vida de todos os homens é importante, e quando alguém morre, a humanidade também morre. Pois essa vida que se foi, representa um vazio na sociedade. E devido a empatia, cada ser humano sente essa perda.

E também representa que estamos todos conectados (o homem do pântano diz isso para o Avatar, no desenho Avatar: A lenda de Aang*, no episódio do pântano, na segunda temporada), é algo muito profundo.

Além do sino anunciar a morte de alguém, ele também tem outras funções, ele representa “a voz de Deus”, guia as almas perdidas para a redenção, e marca as horas (é útil, mas não tem a ver com a frase). O sino dobra por vários motivos na Igreja Católica.

Sino da igrejs

Fonte da imagem 

Saindo da reflexão espiritual e indo pra parte filosófica. A empatia** humana, segundo alguns cientistas, seria a raiz da ética.

E a ética é um dos assuntos preferidos dos nossos queridos filósofos, e será o futuro tema que abordarei no blog. Ética: o que é? o que come? e onde vive? Não perca no próximo programa “Filsofia Popular” ou pop para os mais íntimos.

*Assista esse desenho, ele começa meio bobinho e infantil, mas é só uma impressão, conforme a história progride vai ficando cada vez mais adulto e complexo. O Avatar recebe várias lições de vida, e o final é muito bom. O jeito que os escritores acharam uma solução para o problema do que aconteceria com a nação do fogo quando a guerra acabasse, foi perfeito, e essa solução já começa no Livro 3, ou terceira temporada.

**Existe uma parte do cérebro que é responsável pela empatia, mas o mecanismo dessa emoção no cérebro humano. de acordo com ciência, ainda não está bem estabelecido. Mas empatia é algo real, quem não tem essa capacidade cerebral de sentir empatia pelos outros são conhecidos como psicopatas (psicopatia é uma doença cerebral).

 

Como entender aquele filosofo que escreve difícil?

Imagine uma situação, você vai numa livraria e acha na promoção o livro “Crítica da razão pura” de Immanuel Kant, você compra. E quando chega em casa começa a ler, mas não entende nada.

memeeagora

Você não entende porque é burro? Não. Filosofia é muito complexa pra você? Não. Então por que você não consegue entender o livro de filosofia que você comprou na livraria?

Um dos motivos é que filósofos são (foram) pessoas que leram muitas obras de outros filósofos. Algumas vezes eles discordam do que um filósofo diz e começam a pensar no assunto, e decidem fazer um livro pra discordar desse filósofo e fazer argumentações e filosofias sobre o que discordaram.

No caso de Immanuel Kant, e o livro “Crítica da Razão Pura”, lá na introdução ele começa a falar sobre conhecimentos a priori, impressões…

E no segundo capítulo, ele continua nessa história de juízo a priori, conhecimento empírico, universalidade, até que ele escreve: “… pode bastar a proposição de que cada mudança tem uma causa. (…) o conceito de causa contém de tal modo o de necessidade de efeito e a rigorosa generalidade da lei, que desapareceria por completo se, como o fez Hume (…)”

carminhameme

Aí você se pergunta Hume? O que é isso? Uma pessoa? E a resposta é: sim, é uma pessoa, mas não só uma pessoa. Hume é o filósofo David Hume. Então, Immanuel Kant está refutando uma teoria do filósofo David Hume, que está no livro “Investigação sobre o entendimento humano”.  Estou querendo dizer que você tem que ler esse livro antes da “crítica da razão pura”? Não….Sim, estou…

fazeroq

Na verdade, você não precisa ler, porque Kant explica rapidamente o que é juízos a priori e empirismo e fala sobre os problemas desses conceitos. Mas se Kant está muito difícil de entender, eu aconselho ler o livro do David Hume, porque ele explica de um jeito muito fácil os conceitos que Kant rebate no livro “crítica da razão pura”.

Vou citar uma parte do que David Hume escreve e que Kant discorda até no fundo da alma:

“Portanto, se quisermos satisfazer-nos a respeito da natureza desta evidência que nos dá segurança acerca dos fatos, deveremos investigar como chegamos ao conhecimento da causa e do efeito.

Ousarei afirmar, como proposição geral, que não admite exceção, que o conhecimento desta relação não se obtém, em nenhum caso, por raciocínios a priori, porém nasce inteiramente da experiência quando vemos que quaisquer objetos particulares estão constantemente conjuntados entre si.” Investigação sobre o entendimento humano, David Hume.

Esse filósofo é conhecido por ser extremamente empirista (significa que tudo que a gente conhece vem de experiências). Ele diz “que as causas e os efeitos não são descobertos pela razão, mas pela experiência”, essa frase dele resume o que é empirismo.

Kant é contra esse empirismo radical, e são 200 páginas de argumentação do porque David Hume não está totalmente certo.

Momento desabafo do dia

memesolta

Ler filosofia é perda de tempo? Parece que David Hume e Immanuel Kant estão fazendo filosofia sobre algo inútil, não é?

Claro que não é inútil. Sabe por que? Tem um cientista famoso, que ele leu Kant aos 16 anos de idade, e essa leitura o influenciou muito, que ele até criou uma física nova. Sabe quem é esse cientista? Albert Einstein.

Kant dá uma base argumentativa muito forte sobre a existência de coisas que não podem ser provadas por experiência, ele usa o espaço e o tempo como exemplo. Uma das teorias de Einstein é sobre espaço-tempo, e a utilidade prática está nas tecnologias que você usa hoje. Sem Einstein não existiria metade dessas tecnologias.

Filosofia é inútil? Já imaginou se Einstein nunca tivesse lido Kant, ele nunca teria tido aquela confiança que fez ele criar uma teoria nova. Não sei nem se a gente teria smartphone hoje em dia, sem as teorias de Albert Einstein. Aquelas luzes que acendem “automaticamente” com certeza não existiria, foi ele que inventou isso….

Agora imagine o Isaac Newton sem filosofia, as leis de física dele foram escritas num livro que ele batizou de “Os Princípios Matemáticos da Filosofia Natural”. Não teríamos saído da idade média, ainda estaria buscando água no poço e usando luz de velas.

Mas o post é sobre como não se perder em filosofia e não sobre a utilidade da filosofia, que merece um post próprio.

John Locke: Por que o homem escolhe viver em uma sociedade política?

No livro O segundo tratado sobre o Governo Civil, John Locke aborda os motivos que levam o homem a viver em sociedade e a escolher viver em um Estado.

Nessa parte, das razões do homem fazer isso, ele não difere tanto do que Thomas Hobbes fala, mas essa diferença existe. E ela está na forma que ele separa o homem em estado de natureza e em estado de guerra. Hobbes diz que o homem fora da sociedade, está sempre em estado de guerra. Mas para Locke, o homem na natureza só está em estado de guerra quando entra em disputas, e o estado de natureza é o homem vivendo sem leis, sem garantias de justiça e da propriedade de bens.

sociedade

Fonte da imagem: Curso de educação física – UNEB

Como no estado de natureza, o homem não possui garantias, e o julgamento humano no caso de uma controvérsia, costuma ser parcial. E existem indivíduos que se corrompem e cometem abusos e praticam crimes. Sem um Estado, com leis estabelecidas, existe o problema de como punir esse indivíduo, e quando a punição for aplicada ela deveria ser justa, mas os homens por causa de sentimentos de vingança, raiva etc costumam aplicar uma punição excessiva.

Então pra Locke e Hobbes os homens se unem em sociedade e escolhem viver sob a tutela de um governo para garantir sua própria preservação e ter uma convivência pacífica. Hobbes foca mais na parte pacífica e Locke na preservação do homem e seus bens.

É bom saber….

John Locke e Thomas Hobbes não definem o homem como sendo um ser mal e perverso por natureza. Eles são realistas quanto ao homem e seu comportamento, sabem que os humanos tem defeitos, que muitas vezes agem de acordo com interesses particulares, e podem ser corrompidos.

Os dois filósofos falam sobre Justiça, e não teria sentido eles falarem sobre esse assunto se considerassem que todos os homens são ruins e incontroláveis. Pois se assim fosse, não teria como criar um sistema de leis justas (mal e justiça é como ter ira e moderação ao mesmo tempo), e se todos fossem ruins por natureza, como acharíamos um juiz ou magistrado? Na verdade, nunca sairíamos do estado de guerra pra formar uma sociedade.

E é por isso que eu não estou usando o filósofo Rousseau para contra argumentar Thomas Hobbes. Porque aquela história de que o homem é bom por natureza e a sociedade que corrompe, não é realista.

E hoje em dia sabemos (através de estudos da psicologia e o avanço na área da psiquiatria) que não existe um homem totalmente bom ou totalmente mal (exceto psicopatas e sociopatas, mas Hobbes exclui eles do livro Leviatã quando diz que não consegue conceber alguém que sinta prazer na crueldade, ou seja, o psicopata).

A mente humana é muito complexa.

Claro que no futuro falarei sobre o filósofo iluminista Rousseau (assim que eu achar o livro dele que eu perdi).

Perdão…

justi1Essa é uma palavra fácil de dizer mas difícil de por em pratica. O que é o perdão? Não fazer nada? Não, o perdão é deixar toda a raiva e magoa irem embora, se libertar do mal que alguém te causou e deixar o destino dessa pessoa “pra lá”.

Parece o mesmo que deixar alguém sair impune, não é? Não, porque a justiça verdadeira não pode ser posta em pratica por nós, as vítimas. A justiça é uma mulher vendada sentada numa cadeira, com uma espada numa mão e uma balança em outra.

Por que essa é a imagem da Justiça? Ela tem vendas pois seu julgamento é imparcial, a balança serve pra equilibrar a culpa do ato e a punição no mesmo peso. E a espada representa o poder de punir, e está levantada para mostrar que todos estão sujeitos ao poder da justiça. E por que é uma mulher?

Julgar atos é analisar emoções, atenuantes, agravantes, não pode ser fria em relação às causas e motivos, nem ignorar situações. E quem entende melhor de emoções e motivos do que a mulher?

Perdoar é um ato de libertação e está separado da Justiça pois as vítimas não são imparciais.

A justiça deve ser imparcial pois senão vira vinganca, e a vinganca tende a inflingir um castigo maior do que é justo e isso não é a mesma coisa que virar a pessoa que nos causou mal? Não somos mais vítimas nessa situação e sim infratores. E Viramos réus, até mesmo se for o contrário, dar um castigo menor que o justo, eh ser injusto e portanto virar um infrator.

O desequilíbrio na balança da justiça cria conflito e só o equilíbrio da justiça pode trazer a paz. E como a justiça corrigirá o mal causado e trará a paz, por que ficar remoendo algo que já passou e que você não será o juiz que punirá a pessoa e nem o agente que restaurará o equilíbrio?

Perdoar não é abrir mão da justiça, é libertar a mente.

*Imagem retirada do Pinterest.

**O assunto perdão e justiça são muito longos, farei mais postagens sobre o assunto.