Jan Van Eyck e a pintura holandesa primitiva

A arte desenvolvida na Holanda sob o domínio dos Habsburgos e na região da Borgonha, este período ficou conhecido como Renascença do Norte (ao norte dos Alpes). Esta região passou por um grande desenvolvimento comercial como aconteceu na Itália nesta época. Por causa dessa prosperidade, os artistas holandeses tiveram várias encomendas, principalmente dos comerciantes ricos.

Jan Van Eyck é um dos grandes nomes deste período, uma das imagens mostradas quando se fala sobre o Renascimento Italiano na verdade esta pintura utilizada foi feita pelo artista holandês. O nome deste quadro se chama Retrato de Arnolfini.

Retrato de Arnolfini, Jan Van Eyck.

Giovanni Arnolfini era um rico comerciante de Bruges, uma região dos países baixos, onde fica a Bélgica hoje em dia. Esta pintura foi analisada por historiadores de arte que acham que esta pintura é um contrato de casamento. O gesto feito pelo homem, o jeito como segura a mão da mulher, o posicionamento dos dois na pintura, com Eyck pintando a mulher na parte interna da casa e o homem perto da janela. E também tem o detalhe que passa despercebido, o cachorrinho.

Cachorro no detalhe da pintura.

Van Eyck se mudou para a cidade de Bruges e se tornou o pintor oficial da corte do Duque da Borgonha, Philippe le Bon, porém o artista também aceita encomendas particulares, como foi o caso do Retrato dos Arnolfini.

O artista é responsável pela confecção de um retábulo que é considerado um dos tesouros da arte europeia, o famoso Retábulo de Ghent.

Retábulo de Ghent.

Esta obra provavelmente foi concluída no ano de 1432, e foi pintada por Jan Van Eyck e seu irmão Hubert Van Eyck que também era um pintor, embora seja menos conhecido que seu irmão. Esta obra foi uma encomenda para a Catedral de São Bavo, em Ghent. A pintura representa uma transição entre o gótico internacional e o renascimento.

Uma outra pintura atribuída ao artista é a imagem abaixo chamada de Anunciação.

Anunciação, Van Eyck.

O artista imprime um realismo muito grande nesta obra, desde as dobras nas roupas e o caimento do tecido e até o uso de uma perspectiva geométrica se tornam uma das características de Van Eyck que se tornou uma referência para os artistas renascentistas.

A maioria da biografia dos pintores renascentistas vem de um escritor, artista e historiador da arte que viveu pelos anos de 1500-1600, Giorgio Vasari. Este historiador atribuiu a Van Eyck a invenção da pintura à óleo, mas hoje em dia sabe-se que foi um exagero de Vasari, a tinta a óleo é datada desde a antiguidade, Jan Van Eyck se aperfeiçoou na técnica de utilizar este tipo de tinta.

Diferente das obras de Leonardo da Vinci, em que o renascentista utilizava técnicas experimentais que prejudicaram a conservação de suas obras, a pintura de Van Eyck é um pouco mais preservada que as de Da Vinci, apesar dos dois serem quase contemporâneos.

Van Eyck também é um dos primeiros artistas que fazem a pintura de um retrato da própria esposa, o pintor confeccionou a imagem de Margaret Van Eyck, sua esposa:

Margaret Van Eyck.

Um dos temas favoritos pintados pelo artista são as imagens da Virgem Maria, como a mãe de Jesus era uma das únicas mulheres que poderiam ser retratadas no período medieval e depois no Renascimento, por causa da influência e moralidade da Igreja que não permitia a pintura de mulheres comuns. A Virgem Maria é retratada na forma das diversas Madonnas pintadas por renascentistas.

Jan Van Eyck também pintou Madonnas, uma de suas obras mais famosas e preservadas sobre este assunto é a Madonna do Chanceler Rolin.

Madonna do chanceler Rolin, Van Eyck.

Esta pintura foi encomendada por Nicolas Roulin, o chanceler do Ducado de Borgonha. Nesta obra, a Virgem Maria está segurando um bebê que é o menino Jesus. Van Eyck pinta no estilo identificado como holandês primitivo, onde ele utiliza perspectiva, técnicas de claro-escuro, com um grande realismo. A Virgem Maria também está sendo coroada como se fosse a Rainha do Céu.

Um dos trípticos pintado por Van Eyck que sobreviveu ao tempo se chama Tríptico de Dresden, que é uma pintura em miniatura feita pelo artista.

Tríptico de Dresden, Van Eyck.

A obra pintada por Van Eyck também apresenta o tema da Virgem Maria, segurando o menino Jesus. Esta pintura foi concluída no ano de 1437. Alguns acham que este tríptico seria um retábulo portátil, que era comum nesta época, para quem podia pagar.

O artista também pintou a Madonna de Lucca.

Lucca Madonna, Van Eyck.

A Madonna de Lucca possui as características das outras pintadas pelo artista, o vestido da Virgem Maria é vermelho, como se ela fosse um “trono” para o menino Jesus. Porém nesta pintura o rosto da Madonna se parece muito com a da esposa do artista, então alguns acham que esta obra é uma espécie de retrato feito por Van Eyck da sua esposa Margaret.

A Madonna na Igreja, é outra obra pintada pelo artista sobre este mesmo tema, porém a pintura apresenta algumas diferenças.

Nesta obra, a Virgem Maria é retratada como a Rainha do Céu, utilizando uma coroa, em pé segurando o menino Jesus, usando um manto azul e um vestido vermelho, dentro de uma Igreja de arquitetura gótica. O cenário parece ser muito pequeno para o tamanho da Madonna e o bebê, provavelmente um resquício das representações grandes das figuras divinas.

Jan Van Eyck morreu em 1441 e é um dos grandes nomes da História da Arte, influenciando muitos artistas posteriores.

Compre meu livro na Amazon:

2 comentários em “Jan Van Eyck e a pintura holandesa primitiva

Deixe uma resposta para natuurfreak3 Cancelar resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.